Como Deus criou o mundo?

Como Deus criou o mundo? Desde os tempos antigos, a humanidade sempre buscou entender a origem do mundo e de tudo que nele existe.

É bem verdade que muitas teorias tentam explicar essa realidade, no entanto, nenhuma delas consegue gerar tanta convicção em nós quanto o fato de sabermos que o criador do mundo é Deus!

Neste post, vamos explorar as respostas bíblicas sobre como Deus criou o mundo e compreender um pouco mais sobre a criação segundo a visão cristã.

Para isso, utilizaremos a Bíblia que é a fonte de maior e mais importante valor para entender como Deus criou o mundo.

O relato bíblico da criação do mundo

A Bíblia é o livro sagrado da fé cristã e nele encontramos o relato da criação do mundo. Segundo o livro de Gênesis, Deus criou o mundo em seis dias e descansou no sétimo.

No primeiro dia, Deus criou a luz e separou-a das trevas. Já no segundo dia, o Senhor criou o firmamento para separar as águas dos céus das águas da terra. Consecutivamente, no terceiro dia, Deus fez surgir a terra e as plantas. No quarto dia, ele criou os corpos celestes, como o sol, a lua e as estrelas.

No quinto dia, Deus criou os animais marinhos e aves. E no sexto dia, ele criou os animais terrestres e, por fim, Deus criou o homem, à sua imagem e semelhança.

Porque Deus criou o mundo?

A Bíblia afirma que Deus é o Criador de todas as coisas e que tudo foi criado por ele e para ele (Colossenses 1:16).

Além disso, a Bíblia afirma que Deus criou o ser humano à sua imagem, com o propósito de estabelecer uma relação pessoal com ele e de compartilhar sua vida divina (Gênesis 1:26-27).

Qual é o significado da criação do mundo?

A criação do mundo é um evento fundamental para os cristãos, pois revela a existência de um Deus supremo e onipotente.

Além disso, a criação é vista como um ato de graça e amor por parte de Deus, já que ele criou o mundo e todas as coisas nele existentes para que pudéssemos desfrutar de sua beleza e de suas bênçãos.

Além disso, a criação também é vista como uma declaração da soberania de Deus sobre o mundo e sobre todas as coisas nele existentes.

Isso significa que Deus é o único Senhor e controlador de tudo e que tudo o que existe foi criado por ele e para ele.

1. O primeiro dia da criação

No primeiro dia, Deus criou a luz. O espírito de Deus pairava sobre as águas e alí Ele separou a luz das trevas e chamou a luz de “dia” e as trevas de “noite”.

Esse dia foi caracterizado pela existência da luz e pela ausência de qualquer outro objeto criado.

A luz foi criada antes da criação do sol, da lua e das estrelas, o que sugere que a luz divina é algo distinto das fontes naturais de luz.

A criação da luz no primeiro dia é vista como um símbolo da presença divina no mundo e como uma prova da onipotência e da onisciência de Deus.

2. O segundo dia

No segundo dia da criação, segundo a narrativa bíblica, Deus criou os céus e as águas. Ele separou as águas que estavam debaixo dos céus, formando a terra seca, e chamou essas águas de “mares”.

Esse dia foi caracterizado pela criação da atmosfera terrestre e pela separação da água da terra seca.

A criação dos céus e das águas no segundo dia é vista como uma manifestação da grandeza e da majestade de Deus e como um símbolo da sua capacidade de criar e governar o universo.

3. O terceiro dia

No terceiro dia da criação, de acordo com a narrativa bíblica, Deus criou a terra e as plantas. Deus chamou a terra de “terra” e as demais plantas que nela haviam.

Esse dia foi caracterizado pela criação da terra fértil e pela introdução da vida vegetal no mundo.

A criação da terra e das plantas no terceiro dia é vista como uma prova da sabedoria e do amor de Deus pela vida e pela natureza, e como um símbolo da sua presença constante na Terra.

4. O quarto dia

No quarto dia da criação, segundo as respostas bíblicas, Deus criou os corpos celestes: o sol, a lua e as estrelas.

Ele os colocou nos céus para governarem o dia e a noite, para fornecerem luz à terra e para serem sinais para marcar as estações, os dias e os anos.

Esse dia foi caracterizado pela criação dos objetos celestes e pela introdução da noção de tempo no mundo.

A criação do sol, da lua e das estrelas no quarto dia é vista como uma prova da grandeza e da sabedoria de Deus e como um símbolo da sua capacidade de controlar o universo.

5. O quinto dia

No quinto dia da criação, de acordo com a narrativa bíblica, Deus criou os seres vivos que habitam a água e os seres vivos que voam no ar.

Ele os abençoou e lhes deu a ordem de se multiplicarem e de encher os mares e os céus.

Esse dia foi caracterizado pela criação dos seres vivos marinhos e aéreos e pela introdução da vida animal no mundo.

A criação dos seres vivos no quinto dia é vista como uma prova da criatividade e do poder de Deus e como um símbolo da sua bondade e amor por todas as formas de vida.

6. O sexto dia

Aqui Deus criou os seres humanos. O Senhor criou o homem e a mulher em si. Ali, o homem foi feito à sua imagem, a imagem de Deus o fez e o deu o domínio sobre todas as outras criaturas.

Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais grandes de toda a terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão”.

Gênesis 1:26

Esse dia foi caracterizado pela criação do ser humano e pela introdução da vida humana no mundo.

A criação do ser humano no sexto dia é vista como a culminação da obra criativa de Deus e como uma prova da sua grandeza e amor pelos seres humanos.

Além disso, é vista como uma confirmação da posição privilegiada do ser humano como vice-regente de Deus na Terra.

Em resumo, o homem se torna então a coroa de toda a criação de Deus.

7. O sétimo dia

No sétimo dia da criação, segundo a narrativa bíblica, Deus descansou após sua obra criativa. Ele abençoou esse dia e o consagrou como dia de descanso.

Esse dia foi caracterizado pelo descanso de Deus após a criação e pelo estabelecimento de um ritmo de trabalho e descanso na Terra.

O sétimo dia da criação é visto como um símbolo da fé de Deus na sua obra criativa e como uma prova de sua generosidade e amor pelos seres humanos.

Além disso, é visto como uma confirmação da importância do descanso e da recuperação física, emocional e espiritual.

Porque Deus descansou no sétimo dia?

Diante de toda a criação e de tanto demonstração de poder, Deus se cansaria com alguma coisa? Sendo um Deus onipotente, por que Deus descansou?

Deus não precisaria descansar, porque Deus não se cansa! Entenda algo: Deus descansa não pelo fato d’ Ele estar fatigado ou coisa do tipo, mas Ele descansa para estabelecer um princípio para Adão.

Ao descansar no sétimo dia, Deus estabeleceu um padrão para o descanso humano, mostrando a importância de se recuperar e se renovar. Além disso, o descanso de Deus no sétimo dia simboliza a ideia de que ele é suficiente e que sua obra criativa é completa e satisfatória.

Ao descansar no sétimo dia, Deus mostrou que ele não precisava mais trabalhar para completar sua obra criativa e que a Terra e todas as criaturas nela existentes eram bons em si mesmos.

Em resumo, o princípio por trás do descanso de Deus no sétimo dia é a ideia de que ele é digno de adoração, que sua obra criativa é completa e perfeita, e que a criação é um bem em si mesmo.

Conclusão

A criação do mundo é um evento fundamental para a fé cristã e é vista como uma manifestação do amor e da soberania de Deus sobre o mundo e sobre todas as coisas nele existentes.

A interpretação da criação pode variar, mas o importante é que ela é uma fonte de conforto e esperança para os cristãos, que acreditam em um Deus amoroso que criou o mundo para eles.

Em suma, a criação do mundo é um evento divino, que revela a existência de um ser supremo e que serve como uma fonte de conforto e esperança para aqueles que acreditam na fé cristã.

Independentemente da interpretação escolhida, a criação é uma verdade essencial que nos lembra da presença constante de Deus e seu filho Jesus Cristo em nossas vidas.

Que Deus te abençoe!

Hugo Nascimento
Sobre Hugo Nascimento

Hugo Nascimento é casado com Eliza Martins, capixaba da gema e apaixonado por Jesus. É formado pelo Seminário Teológico Carisma - Belo Horizonte / MG. Servimos ao Senhor na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte.